Os verdadeiros verbos de ligação

Inspire-me.
Não com palavras sublinhadas de autores que ninguém leu,
mas com abraços que não respeitem datas de comemoração sazonais.

Vista-me.
Não com elogios decorados e superficiais,
mas com todo o ar que seu fôlego possa suportar.

Enlouqueça-me.
Não com o desespero de atenção,
mas com a provocação distribuído entre dias comuns.

Sufoque-me.
Não com um questionário de perguntas sobre o meu dia,
mas com uma coleção de defeitos genuínos capazes de transformar tudo em qualidade.

Mova-me.
Não com um mapa de roteiros definidos,
mas com um GPS criado pelo sistema infalível de entrelaçamento de dedos.

Colecionador de selinhos em agências dos correios, massagista aposentado de ego, flerta de óculos escuros e só aceita que caiam no seu conceito de boca. Também trabalha como fabricante de pontos de exclamação e recentemente foi nomeado Membro Honorário da Academia Brasileira de Ironia e Sarcasmo. 30 e duas estações do ano completas. Casado, logo, fora do mercado mas dentro dos seus fones de ouvido.